Fórum Sindical se reune e define ações para a pauta coletiva

Representantes de sindicatos e associações membros do Fórum Sindical dos Servidores Públicos do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso se reuniram na data de ontem (12/06) para tratar da seguinte pauta:

> Situação da representatividade no MTPREV e Previdência Complementar;

> Situação da representatividade no MT Saúde e a rede de serviços ainda precária;

> Ameaças sobre a RGA 2017/2018 parcelamento acordados e previstos na Lei 10.572/2017;

> Projeto Eleições 2018 – Fórum Sindical.

Após intensos debates nas reuniões anteriores e na de hoje,  dentre os encaminhamentos ficou deliberado o pedido de Auditoria Independente no MTPREV em função das ameaças de criação do regime de previdência complementar, falta de transparência e o não cumprimento na íntegra da Lei Complementar 560/2014 onde só o fundo do poder executivo está arcando com as despesas de custeio, onde aguardaremos inclusive edital de eleições para nova composição dos conselhos deliberativo e fiscal.

Em relação ao MT Saúde serão encaminhados os nomes dos representantes (usuários) para compor os conselhos deliberativo e fiscal além destes receberem a missão de fiscalizar as contas e cobrar melhorias da caixa assistencial.

Em relação a RGA 2017/2018, as negociações se encerraram em 2017 quando o governo e Assembleia Legislativa acordaram com o Fórum Sindical o parcelamento através da previsão legal da lei 10.572/2017, onde iremos aguardar que o governo, AL e TCE entrem num acordo para evitar um possível embate as vésperas das eleições por falta de cumprimento da lei.

PROJETO POLÍTICO – ELEIÇÕES 2018

Foi feita uma retrospectiva da atuação do Fórum Sindical (2015-2018) na luta em defesa por melhorias do serviço público para atender a população com dignidade e pelos direitos funcionais dos servidores públicos frente a baixa performance do atual governo, onde acordos formais não foram cumpridos, escândalo dos grampos, esquemas e escândalos de corrupção dentro do governo e por parte de aliados,  onde o Estado de Mato Grosso ficou em cartaz na mídia nacional com as varias operações das polícias federal e civil, investigando e prendendo agentes políticos e empresários.

Vivenciando todo esse sofrimento da população e dos servidores públicos, os integrantes do Fórum Sindical incluiram no final do ano de 2017 na pauta do debate interno as Eleições 2018 para observar a formação dos novos grupos políticos postulantes às ocupações dos espaços de poder e tomada de decisões em Mato Grosso e em Brasília.

A partir do amadurecimento do debate acerca da necessidade eminente em elencar nomes de homens e mulheres de bem para colocar à disposição de Mato Grosso, foram feitas varias reuniões internas e sondagens dos possíveis partidos políticos para abrigar o projeto coletivo, levando em consideração a coerência e o bom senso com vistas ao futuro e bem estar da população mato-grossense.

Os nomes das lideranças internas do Fórum Sindical foram surgindo naturalmente para se colocarem a disposição do projeto político, onde se definiu dois partidos políticos para abrigar as pré-candidaturas de civis e militares.

Os militares ocuparam a direção do Partido da Mobilização Nacional – PMN 33 e os civis se filiando ao Partido Republicano da Ordem Nacional – PROS 90.

Os nomes dos pré-candidatos do Fórum Sindical foram consensuados internamente, chegando a seguinte configuração:

PRÉ-CANDIDATOS A DEPUTADO (A) FEDERAL:

* Gisela Simona (servidora do PROCON/MT) – PROS;

* Cledison Gonçalves (servidor aposentado da Polícia Civil) – PROS;

* Ten-Cel. Wanderson (PM) – PMN.

PRÉ-CANDIDATOS A DEPUTADO (A) ESTADUAL:

* Diannyeire Dias (servidora do INDEA/MT) – PROS;

* João Batista (servidor do Sistema Penitenciario de MT) – PROS;

* Oscarlino Alves (servidor da Saúde de MT) – PROS;

* Edmundo Cesar Leite (servidor da Área Meio de MT) – PMN;

* Henrique Lopes (servidor da Educação Básica de MT) – PT.

Os pré-candidatos lançados pelo Fórum Sindical tiveram que se licenciar dos cargos de Dirigentes Sindicais (4 meses) por força da lei complementar federal 64/90 e normativas do Tribunal Superior Eleitoral.

A grande tacada do projeto político reside na independência política do grupo com a grande possibilidade de coligação partidária entre o PROS e o PMN numa frentinha que possibilitará que os votos de todos os pré-candidatos somem para o grupo, e abrindo chances reais de eleger pelo menos 1 (um) deputado (a) federal e 2 (dois) deputado(a)s estaduais.

A orientação tirada no Fórum Sindical é de continuar essa construção do projeto político escutando as propostas dos novos candidatos a majoritária, principalmente os postulantes ao cargo de governador e apontando as demandas da população e dos servidores públicos.

O Fórum Sindical está consciente de que chegou a hora de botar a prova a maturidade do voto da população e dos servidores públicos neste grupo de homens e mulheres de bem para mudar a triste realidade de descrédito e imoralidade da política nacional.

Sem recursos financeiros e prontos para serem atacados, o grupo de pré-candidatos buscará o apoio dos eleitores de Mato Grosso para o VOTO CONCEITUAL contra o voto de estrutura oriundo do poder do dinheiro, contra os conchavos dos barões da política e de grupos de interesses privados.

 

Da assessoria